Um menino de 9 anos foi morto por enforcamento pelo padrasto, no Residencial Nunes de Morais, em Goiânia, na sexta-feira, 19. Renato Carvalho Lima, de 20 anos, foi preso e confessou, com bastante frieza, o crime.

A mãe do menino, de 27 anos, também foi presa. Ela é suspeita de ser cúmplice do companheiro, com quem estava namorando há pouco tempo, depois que se conheceram no trabalho.

Jeannie da Silva de Oliveira e o namorado chegaram a fazer um boletim de ocorrência na Central de Flagrantes, no sábado, dizendo que o filho, Antônio Jorge Ferreira da Silva estava desaparecido.

A polícia começou a desconfiar do padrasto e da mãe quando entraram em contradição durante os depoimentos. Eles chegaram a dizer que o menino havia sido sequestrado por um agiota a quem Renato devia uma certa quantia e que um pedido de resgate já tinha sido feito.

À polícia, Renato disse que simulou uma brincadeira com o menino, amarrando suas mãos para trás para ele tentar se soltar. A primeira tentativa em se soltar teria dado certo, mas a segunda foi frustrada, quando o menino foi dominado e morto por enforcamento.

O corpo foi enrolado em um cobertor, colocado dentro de uma caixa de papelão e jogado em um matagal, que fica cerca de 500 metros da casa onde a família morava.

A morte do menino pode ter sido arquitetada pela dupla. Segundo apurado, o menino estaria atrapalhando a relação do casal. Para disfarçar o crime, os dois teriam inventado a história do sequestro.

Antes de morrer, Antônio pode ter lutado com o padrasto, tentando se defender. A polícia encontrou marcas de unhas no pescoço e no braço do Renato e solicitou exame de corpo de delito.

O corpo do menino foi levado para o Instituto Médico Legal (IML), onde passou por exames para identificar a verdadeira causa da morte e se há outros sinais de violência, além do enforcamento.

O caso será investigado pela Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC).